Caro torcedor colorado esta não é uma crônica sobre o time, contratações ou crises que o colorado passa praticamente a todo momento. As palavras que vão ler se tratam de uma reflexão, um apelo por assim dizer, já falado outras vezes de forma superficial.

É necessário nos perguntarmos se o Inter ainda é o clube do povo e até que ponto o futebol pode se distanciar de quem fez ele o esporte mais popular do planeta. Como parte de uma rádio web que tenta sempre levar as jornadas coloradas para mais e mais pessoas, é nosso dever questionar o preço do futebol nos dias atuais.

Aos desatentos, aviso que não se trata de montagem de grupo ou investimento de clube, mas sim dos preços das camisetas, ingressos e acessórios que envolvem nosso colorado.

Esta semana a patrocinadora lançou uma camisa básica, sem identificação de clube ou patrocínio vermelha com bolso nas cores do Rio Grade, por R$149,00! Isso mesmo, uma camiseta que tranquilamente se encontra em por R$30,00 / R$ 50,00 em qualquer lugar que não pense em explorar a paixão do torcedor.

 Porém esse não é um caso isolado, polos, calções, meias, bonés e demais objetos com símbolo do clube estão com preço fora da realidade do torcedor popular, o Inter já não mais pertence a massa vermelha e branca que participou de sua fundação. 

Não existem mais camisas com o símbolo colorado que um pai de família assalariado possa comprar para seus filhos sem gastar ao menos boa parte de um salário mínimo. A paixão dessa forma começa a ser deixada de lado, ou se parte para o famoso produto “pirata” ao qual o clube reclama perder renda.

O que dirigentes não compreendem é que justamente essa exclusão social forçada pelos altos preços tira dinheiro que poderia estar entrando nos cofres da instituição.

O fato principal é que a demanda existe, mas a oferta dos produtos não está de acordo com a realidade da torcida. O povo colorado quer andar com a camisa vermelha e branca, boné e bandeira, mas não tem condições de deixar uma pequena fortuna para ter esse direito.

E perceba caro torcedor colorado, falei apenas de coisas que se consomem fora do estádio, se levarmos essa discussão para dentro das cercanias do gigante, os valores assustam ainda mais, ingressos caros, bebidas e comidas com preços absurdos fazem de um jogo de futebol um espetáculo muitas vezes único na vida de uma pessoa.

Um pai com filhos praticamente não consegue mais assistir os jogos dentro do gigante, uma família entre ingressos e consumação gasta-se tranquilamente entre R$ 200,00 à R$300,00, em um único jogo!

 Os estádios ficaram melhores, cadeiras e cobertura, banheiros limpos, mas o povo foi afastado do principal: O futebol!  É preciso repensar essa relação, entre clube e torcida, tanto nos preços dos produtos quando do jogo em si.

Antes que um abismo entre realidade e futebol acabe afastando o torcedor e diminuindo lentamente o tamanho da torcida colorada. É importante ter dinheiro para o futebol, receitas positivas e investimento, mas nada disso se faz sem torcida e uma base forte de apaixonados.

O povo fez o Inter e é o povo que mantem o Inter vivo na história do futebol!

Pablo G. R. Danielli

Deixe seu Comentário