Desde que assumiu a presidência do Inter o grupo político que ali estava se mostrou como a barca de salvação do clube. Declarações fortes sobre reinventar o futebol, olhar fixo para o alto como se de fato soubessem o que faziam.

Foram limando do beira rio, grupos políticos adversários, reestruturando funções e pessoas, para deixar apenas os seus de confiança. O que se pode observar nesse tempo, foi uma completa caça às bruxas política, inclusive com aval “suspeito” de influenciadores digitais.

Mandaram embora pessoas que eram referência em seus cargos, para colocar sangue ”novo”. Começaram a enumerar culpados e terceirizar responsabilidades, tudo sempre para não assumir seus próprios atos.

O Inter está se tornando o clube da propaganda e marketing e deixando o futebol de lado. Está indo atrás da repercussão de postagens em redes sociais e likes instantâneos, enquanto vexames viram rotina nos gramados ao lado da Padre Cacique.
Para completar o ciclo da desgraça colorada só faltou o rebaixamento e este quase aconteceu, porque força fizeram. De frases como: O Inter tem seu próprio tempo, o Inter está confortável na tabela, entre tantas outras asneiras ditas pelos membros desta direção, o colorado afunda em campo.

Chegou ao ponto de o presidente em final de campeonato gaúcho insinuar que quem vaiava o time não era colorado de verdade e que no fim iriam ter que aplaudir, claro que o Inter perdeu a final para o rival grêmio.
 
De comemorações ofendendo a torcida em seu camarote, por causa de uma classificação que não levou a nada, a entrevistas dando letrinhas para quem criticava a gestão, mostra o desiquilíbrio emocional muito forte de quem gere o clube.

O Inter é um time à deriva as margens do Guaíba e por mais que isso doa na torcida colorada o fato é claro: Hoje o clube teve sua grandeza reduzida por causa do ego cego de quem o comanda.

Uma direção que empilhou técnicos, contratações apenas de ocasião e que não conseguiu sair do lugar. Se quer conseguiu diminuir o tamanho da dívida do clube, o discurso, sempre efusivo é apenas da boca para fora.

Não é novidade que este que vos escreve sempre teve um pé atrás e foi crítico desta direção, é só acompanhar as outras crônicas já postadas na rádio ou acompanhar as jornadas esportivas. Porém não acreditava que a coisa toda iria piorar sem parar. Assusta e preocupa muito!

Como colorado sempre torço pela vitória, independente da direção ou jogador que vista o manto sagrado. Mas tem gente fazendo força para afastar a torcida da beira rio. Se alguém duvidava do amor, da paixão do torcedor que veste vermelho e branco, essa dúvida já não existe mais.
 
O momento que estamos passando só reforçou o elo entre clube e torcida, sairemos mais fortes desta tempestade, pois hoje a certeza que temos é que quem comando o calvário, sai no fim ano para nunca mais voltar.

Estamos cansados de dirigentes arrogantes que não são capazes de assumir a própria culpa dos seus atos e a convicção na própria arrogância está destruindo o Inter!
Os discursos batidos e as desculpas são sempre as mesmas, entrevistas e coletiva pós jogos sempre no mesmo tom. E ao torcedor colorado fica proibido até mesmo a indignação. O futebol não pode ser profissional apenas da boca para fora, está na hora do clube se livrar dessas estruturas corroídas que estão impedindo o crescimento do clube por mera vaidade.

Se o que aconteceu até o momento não foi o suficiente para mostrar que precisamos de mudanças e reforços de qualidade, torço para que de alguma forma quem está no comando acorde a tempo para podermos brigar por títulos e não penas figurar nas competições.

Ao torcedor colorado meu abraço e indignação compartilhada, à direção meu desejo de um termino rápido e indolor de mandato, para não sofrermos mais. 

Pablo G. R. Danielli

Deixe seu Comentário